Mike Mangini fala sobre a escolha dos músicos para seu primeiro disco solo

Mike Mangini vem aí com seu primeiro disco solo, e uma série de convidados de luxo o acompanham na empreitada.

Conversando com o podcast The Everyman Podcast”, ele falou um pouco sobre a escolha de cada nome que estará em “Invisible Signs”, álbum que está previsto para chegar em novembro. Ele diz quando questionado se as letras do disco são todas de sua autoria:

“Inicialmente. E a razão pela qual há confusão é que os jornalistas pegam informações antigas que são verdadeiras na época, mas depois elas mudam. Por exemplo, inicialmente, sim, eu escrevi cada nota – claro que escrevi, porque estava trabalhando nisso sozinho. Quer dizer, cada nota – os solos, todas as palavras, melodias vocais horrivelmente cantadas [risos]. E isso evoluiu com o tempo. Então, à medida que cresceu de totalmente eu e instrumentos MIDI para o que você ouve agora, houve um estágio em que eu o alimentei e depois o entreguei para todos os outros membros do álbum. Então essa é a essência disso.”

Jen Majura, ex guitarrista do Evanescence, deu voz ao primeiro single lançado do projeto, “Freak of Nature” e Mangini explica como foi essa escolha:

“Eu conheci Jen há um bom tempo e, eventualmente, ela me pediu para fazer um de seus vídeos de um minuto [no YouTube ], e fizemos uma música de Stevie Wonder com ela e Alex Skolnick, e foi ótimo, porque ela acertou em cheio – ela tocava saxofone e guitarra e todas essas coisas, mas ela está cantando Stevie Wonder, como aquela coisa. Nem todo mundo tem essa coisa, e eu anotei isso na minha cabeça. Eu fiquei tipo, ‘Nossa, ela tem aquela coisa.’ E é interessante porque mais tarde, quando eu escrevi algumas músicas que ninguém ouviu ainda, exceto quem deveria ouvi-las antes de serem lançadas, ‘ Black Box’ e ‘Let Me Shine’ são mais do que… quero dizer, você pode dizer que era para isso que as crianças estavam gravitando. E então eu tentei fazer essas músicas para mim. Eu tentei fazer isso com o riff e aquela coisa que não é comum nas estações de rádio. Mas de qualquer forma, então ela tinha isso algo que permitiu que essas duas músicas em particular se conectassem ao resto. E as músicas que estão no topo – elas ainda são pesadas, mas não têm aquele swing de 54 por cento nelas.”

Quanto aos demais convidados, Mike explica:

 Gus cuidou dos solos. Ele não queria fazer o ritmo. Ele não é um músico de sete cordas; ele é um músico de seis cordas”. . Essa é a razão. Então, Ivan me foi recomendado pelo vocalista Dino Jelusick , que é simplesmente o cara mais doce do mundo – grande amigo, alguém com quem eu estava trocando ideias e outras coisas e me ajudando. E ele recomendou Ivan. Na verdade, ele recomendou Tony Dickinson também no baixo. Mas Ivan entrou e pegou todas as minhas partes virtuais, colocou-as na guitarra. E, na verdade, Dino capturou as partes de Ivan no laptop. Então, eles enviaram isso para mim. Mas Ivan teve que interpretar algumas coisas. Ele disse, ‘Ei, cara, isso é feito em um teclado. O que você está fazendo?’ Eu estava tipo, ‘Sim, eu sei. Faça com que funcione para você. Faça com que funcione naquele instrumento. Vá em frente.’ E então Tony , é claro, fez a mesma coisa no baixo. E ele entrou em contato comigo dizendo: ‘Sabe…’ e eu, tipo, ‘Não, apenas me diga.’ Ele diz: ‘Bem, nesta corrida em particular, nesta nota em particular, eu não faria isso.’ Eu fico tipo, ‘É apenas uma nota. Basta mover a nota. Altere-a. Claro.’ Aí eu disse: ‘Eu fiz as partes básicas que funcionam para a música. Se você quiser embelezar, vá em frente. Faça você mesmo, mas fique dentro da coisa. Caso contrário, vou perder isso.’ Então esses caras foram tão incríveis que pegaram o que eu fiz, embelezaram, consertaram, por assim dizer, porque é um teclado, eles mudaram algumas coisas. Mas se você ouviu, se eu lançar todas as demos só comigo, é vai soar… você ouvirá algumas notas aqui e ali que são diferentes, e foi isso que aconteceu, ou estruturas. Mas tudo é basicamente como era em essência. E então Ivan cuidou de todas as guitarras e fez alguns preenchimentos aqui e ali. Jen Majura fez o solo introdutório, o solo introdutório de uma música chamada ‘Deep Inside’ .”

O single pode ser conferiado abaixo.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.