Bruce Dickinson tinha planos para sequência de ‘Tyranny Of Souls’ que deveria ter sido lançado em 2014

Bruce Dickinson vem aí com seu novo disco solo, “The Mandrake Project“, e em conversa com a Rádio Rock 89, ele falou sobre a inspiração do disco, dizendo:

“Em 2014, eu ia fazer um álbum solo, continuação de ‘Tyranny Of Souls’. E se chamaria ‘If Eternity Should Fail’. E a faixa-título que escrevi, fizemos uma demo dela, que na verdade está no single ‘Afterglow Of Ragnarok’. Na verdade, coloquei a demo de ‘If Eternity Should Fail’ no single, no outro lado, para que as pessoas pudessem ver, com a faixa principal, como ela evoluiu desde a demo, desde o início até a versão do Maiden. E porque acabou no ‘The Book Of Souls’, eu disse, ‘Hmm , ah, bem. Talvez eu não a use como faixa-título, ou outra coisa. Mas, de qualquer forma, eu tinha algumas outras faixas em que estávamos trabalhando, com Roy. Então, no final de 2015, eu fui diagnosticado com câncer na garganta. Isso foi um ano antes que eu pudesse fazer qualquer coisa. E a primeira coisa que tive que fazer foi sair em turnê com o Iron Maiden para compensar o tempo que perdemos. Então isso foi em 2017. E então eu disse: ‘Quer saber? Vamos voltar para a América. E, ah, COVID. E isso foram três anos sem permissão para entrar na América. Então foram cinco anos — mais de cinco anos. Perdi sete anos da minha vida durante isso. Enquanto isso, a ideia da história em quadrinhos… Originalmente seria apenas uma história em quadrinhos relacionada ao álbum, mas a história cresceu e mudou, e então se tornou esse monstro de 12 episódios. E eu estava passando ideias para um cara chamado Kurt Sutter, que escreveu ‘Sons Of Anarchy’ e ‘The Shield’ e outras coisas. Ele é um incrível escritor de Hollywood…. ‘Sons Of Anarchy’ foi a inspiração para os quatro motociclistas do apocalipse no vídeo’The Writing On The Wall’. Eu escrevi o roteiro para isso e estive muito envolvido na produção, e enquanto fazia isso, estava fazendo zoom com Kurt e apresentei a ideia de ‘The Mandrake Project’ para ele. Na época não se chamava ‘The Mandrake Project’. Estávamos fazendo esse álbum e eu não tinha ideia de como ele se chamaria. E eu tinha essa história e não sabia como chamá-la. E na verdade não tenho ideia de como criei ‘The Mandrake Project’. Em algum lugar eu tenho um pedaço de papel com algumas ideias absolutamente ridículas para o título do álbum. Estou anotando: ‘Que tal chamar assim? Que tal chamá-lo assim?’, e apenas olhar para todos eles e dizer: ‘Qual deles parece certo?’ E nenhum deles parecia certo. E então… ‘Mandrake’ é uma palavra tão bonita. E, na verdade, alguém fez algo usando a palavra ‘Mandrake’? A resposta é não. Eu fiquei maravilhado. Havia uma música do Deep Purple, ‘Mandrake Root’. Há um quadrinho francês chamado Mandrake The Magician. E havia algo chamado The Mandrake Project, mas era como uma coisa única de bateria e baixo. E eu pensei: ‘Bem, isso não será um problema.’ Então, ‘O Projeto Mandrake’. Eu pensei: ‘Isso parece muito legal’. Então pensei: ‘Bem, eu poderia chamar o álbum e a história em quadrinhos de ‘The Mandrake Project’.’ Porque eu tinha a história, mas agora a chamo de ‘Projeto Mandrake’ – brilhante, agora posso colocar isso aí. Então foi assim que evoluiu – peça por peça.”

Bruce continuou falando que parte do material de 2014 se transformou em seu novo disco:

“Quero dizer, ‘Shadow Of The Gods’ estava basicamente quase finalizads. ‘Sonata (Immortal Beloved)’ , a última faixa do disco, que tem mais de 20 anos, era apenas uma demo. E uma noite, Roy estava me interpretando como uma jam que ele tinha feito. Ele tinha visto o filme ‘Immortal Beloved’, com Gary Oldman, sobre Beethoven , e ele disse: ‘Quer saber? Vou pegar um pequeno loop da sonata ‘Moonlight’ e apenas brincar com ela e colocar alguns teclados e algumas guitarras e criar um pouco de vibração ambiente.’ E ele tocou para mim e disse: ‘O que você acha disso?’ E eu disse, ‘Oh, parece muito alucinante. Não sei o que cantaria sobre isso. Deixe-me tentar.’ Então eu entrei. Eu não tinha palavras, não tinha melodia, não tinha ideia do que iria cantar. E cantei 80 por cento daquela música – inventei na hora. Letra, palavra falada – tudo. Eu estava apenas em associação livre. E nós pensamos, ‘Oh, isso é legal.’ E eu esqueci disso. E então Z me deu algumas coisas. Ele disse: ‘Tenho um monte de demos aqui. Encontrei mais algumas.’ E isso estava lá. Então Leana, minha esposa, ouviu. Ela disse: ‘O que é isso?’ Eu disse, ‘Bem, é apenas uma demo que fizemos.’ Ela diz: ‘É incrível!’ Eu disse, ‘Sério?’ Eu disse: ‘Você não acha que está um pouco estranho aí?’ Ela disse: ‘Não! É fantástico! Você precisa deixar isso registrado.’ Então eu disse, ‘Ok. Tudo bem.’ Então tivemos que fazer alguns reparos – não havia uma segunda estrofe. Porque eu cantei a primeira estrofe e pensei, ‘Uau, isso parece ótimo. Ah, tem um refrão! Eu cantei o refrão. Meu Deus, isso parece brilhante. E então o segundo verso continuou. Eu pensei, ‘Oh, não. O que eu digo agora? Oh, tem um refrão chegando. Ei.’ E então eu estava de volta ao ritmo. Então tivemos que criar o segundo verso e fazer alguns pequenos ajustes. Mas, em geral, 80% desse take é o primeiro e o único take, sem nada escrito. Na verdade, eu tive que ouvir a música para escrever qual era a letra. Eu não as tinha escritas em lugar nenhum. Estava simplesmente lá.”

Bruce Dickinson lançará “The Mandrake Project” em 1 de março deste ano. O vocalista tem passagem marcadas no Brasil para sua turnê solo com sete shows agendados. Já no final do ano, Bruce retorna ao país com o Iron Maiden para dois shows em São Paulo.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

One thought on “Bruce Dickinson tinha planos para sequência de ‘Tyranny Of Souls’ que deveria ter sido lançado em 2014

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.