Chad Gray do Mudvayne critica falta de orinalidade em novas bandas: “nada separa uma da outra”

Chad Gray, o vocalista do Mudvayne, criticou a falta de originalidade das novas bandas. Em entrevista ao The Underground Australia, ele comenta:

 “Cara, talvez eu não deveria dizer isso, mas não dou a mínima para novas bandas. Porque sou eu e tenho coisas a dizer, e vou dizer. Música agora para mim, Deus os abençoe, novas bandas, mas eles soam iguais. Todas as músicas novas me lembram a mesma merda. Não há nada separando isso, uma banda da outra. É, tipo, uma banda meio que faz alguma coisa, uma centena de bandas segue aquela banda, então outra banda faz alguma coisa, então cem bandas seguem aquela banda e soam exatamente como aquela porra de banda.

Eu estava no Ozzfest 2001. Então você tinha Slipknot, Marilyn Manson, Papa Roach, Disturbed, Mudvayne, Drowning Pool … Cada porra de banda, cada banda que acabei de nomear, nenhuma delas soa igual. Nenhum deles. E acho que é por isso que foi um momento tão especial na música, porque todo mundo estava trazendo o que trazia para a mesa. Você tinha o System of a Down e um monte de bandas, cara. E tudo muito original e todos fazendo suas próprias coisas. Nós fazíamos parte disso. Éramos mais progressistas do que muitos de nossos colegas daquela época. Então estávamos fazendo nossas próprias coisas. Apenas muita música realmente boa e muitas pessoas realmente curtindo sobre o que eles eram. Ninguém estava seguindo outra pessoa. Nós simplesmente não víamos muito disso. Algumas bandas aqui e ali, talvez, você entende o que quero dizer? Mas na maioria das vezes, as bandas estavam fazendo suas próprias coisas e realmente ultrapassar os limites, realmente desafiar o ouvinte. E é disso que se trata a música, certo? É individualidade.

Eu sou Chad Gray e o que faço sou eu. Mas as coisas que me tornam Chad Gray são James Hetfield, Layne Staley, Phil Anselmo, Chris Cornell. Eu poderia ir até a lista e citar provavelmente 50 cantores diferentes que eu costumava cantar todas as merdas que eles lançavam em suas músicas e em seus álbuns, e peguei toda essa influência que me inspirou tanto a querer fazer o que faço e processei isso dentro de mim. E agora todas essas pessoas de quem estou falando, elas se apresentam como Chad Gray. Você sabe o que quero dizer? Eu sinto que é isso que todo mundo estava fazendo. Quero dizer, a única maneira de fazer isso é música, seja que puro e verdadeiro é se as pessoas estão se baseando em suas influências. Todas essas influências criam quem elas são e o que contribuem para a equação musical. Eu fiz o que fiz e contribuí com o que contribuí, mas não poderia ter contribuído com o que contribuí sem as pessoas que me influenciaram. E eu não poderia ter contribuído com o que contribuí se não tivesse aprendido e cantado junto com cada uma dessas malditas pessoas que mencionei. Então eu acho que havia muito disso acontecendo. Acho que tinha muita gente que não parecia… O que as bandas fazem quando olham para essa banda nova e todo mundo segue aquela banda nova, não é nem uma influência mesmo porque são atuais. Minhas influências, mesmo quando me assumi em 2001, com ‘LD 50’, minhas influências foram de 1981, 1983 – tipo 20 anos, quase 20 anos antes de eu lançar meu primeiro álbum. Eu não estava roubando uma banda de 1999 e lançando meu álbum em 2001. Minhas influências foram longas – minhas influências foram de 18, 19, 20 anos. As pessoas que me inspiraram – James Hetfield com seu ‘yellody’, do jeito que James – ele basicamente gritava no tom, o que faço muito na minha música. E meu grito. Eu definitivamente penso em todas as pessoas que gritam – Philip Anselmo . É o meu grito agora, mas começou a ser o grito dele. Eu apenas peguei e torci e fiz outra coisa.

Acho que era isso que estava acontecendo naquela época. Acho que tudo o que estava acontecendo no final dos anos 90, 2000, vinha de um lugar muito puro, com todos os músicos que estavam criando isso naquela época. Tudo veio de uma influência antiga que com o tempo foi cultivada e se transformou em algo completamente diferente. E leva tempo para fazer isso. Não posso ser influenciado por alguém que acabou de lançar um álbum totalmente novo no ano passado. Não tenho tempo para processar isso para ser algo diferente do que provavelmente era há um ano. Mas em 20 anos, posso processar isso 100% e transformá-lo em algo que agora pertence a mim, esse é o Chad Gray e o que ele oferece ao mundo da música, o que considero muito importante.

Música é verdade. Deveria ser verdade, É para mim. É daí que obtenho minha satisfação com a música, é a honestidade e o amor que coloco nela. Então, quer as pessoas gostem ou não, isso não importa para mim. É o que é. Eu faço o que faço. Sou honesto sobre o que faço. Eu amo o que faço. Eu me importo com isso. Eu protejo isso. Eu alimento isso. Eu cultivo isso. E então eu coloco para fora. E se você gostar , legal. Se não, eh, tanto faz.

O Mudvayne continua trabalhando em novas músicas, ainda sem previsão de lançamento para seu novo disco.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.