Slayer: há 36 anos, banda lançava “South of Heaven”

Há 36 anos, em 5 de julho de 1988, o Slayer lançava “South of Heaven” seu quarto full-lenght. Depois do sucesso estrondoso que foi “Reign in Blood”, considerado se não o melhor, mas um dos melhores discos de Thrash Metal já lançados na história. A responsabilidade era grande para a banda. E quem esperava um álbum rápido como o anterior, acabou se surpreendendo. Os caras tiraram bastante o pé do acelerador, mas o resultado ficou com o selo de qualidade do quarteto americano e que será tema do nosso bate-papo de hoje.

Este é o segundo dos discos da fase que pode ser considerada como a “santíssima trindade” do quarteto. A banda estava vivendo o seu auge. E a explicação para tamanha mudança no andamento das músicas foi dada certa vez pelo saudoso guitarrista Jeff Hanneman. Segundo ele, os membros do Slayer sabiam que não conseguiriam superar o que foi feito em “Reign in Blood“, então eles optaram por fazer músicas mais cadenciadas. O resultado foi surpreendentemente bom.

Então, a banda se juntou ao produtor de longa data, Rick Rubin, e o disco foi gravado no “Hit City West”, em Los Angeles, a mixagem em Nova Iorque, a cargo de um certo Andy Wallace e lançado pela Def Jam Records, com distribuição da Geffen Records, através da Warner. Foi o último álbum da banda a ser lançado pela Def Jam. O sucessor, “Seasons in the Abyss“, seria lançado pela American Recordings.

É importante ressaltar que além da velocidade que foi bem reduzida em relação ao álbum anterior, os timbres de guitarras sofreram alterações, bem como Tom Araya mudou a sua forma de cantar, mas a qualidade musical permaneceu intacta. Vamos destrinchar cada uma das dez faixas abaixo:

Abrindo o disco temos a faixa título, com aquela intro sombria, a bateria retumbante de Dave Lombardo e os riffs precisos da dupla Kerry King/ Jeff Hanneman dão à qualidade da música que nasceu clássica. Com certeza, o fã estranhou aquela que era a música com o andamento mais arrastado da banda até então. Mas ela é linda, perfeita. “Silent Scream” traz um esboço do que foi feito em “Reign in Blood”: uma música agressiva, rápida, onde as palhetadas ditam as regras. outro petardo. “Live Undead” traz de volta um Slayer diferente, uma música arrastadona durante boa parte de sua extensão, porém, na parte em que antecede o solo, ela fica veloz e termina em grande estilo. Outra música perfeita.

Behind the Crooked Cross” traz a banda tocando um pouco mais rápido, pelo menos em comparação com a música anterior e o destaque aqui é o baterista Dave Lombardo e suas viradas excepcionais, dando um brilho ainda maior à música. “Mandatory Suicide” é uma das músicas mais completas de toda a história da banda. Ela mostra mais uma vez esse Slayer “diferentão”, mas quem resiste aos riffs dessa que foi uma das mais espetaculares duplas do Thrash Metal, mesmo que ambos não fossem assim tão virtuosos? O solo também é bem legal. Essa foi uma das primeiras músicas da banda que eu conheci, então meu carinho por ela é muito especial.

Em “Ghosts of War” temos de volta a velocidade que o fã do Slayer procura e espera das músicas da banda. Ainda que tenhamos uma mudança de andamento do meio para o final, onde os riffs se mostram poderosos. E Dave Lombardo novamente se destacando, seja nas viradas, seja na levada. “Read Between the Lies” é outra que nasceu clássica. Seus riffs repetitivos durante as estrofes nos convida a tocar nossa air guitar ou a manter nossas cabeças em posição estática. O pau volta a comer solto em “Cleanse the Soul”. Com uma bateria bem core e palhetadas à velocidade da luz, essa música é um convite ao mosh. Outra perfeição.

Dissident Aggressor” é um cover do Judas Priest, que o quarteto não mudou nada na estrutura musical. A diferença é apenas no vocal, onde Tom Araya nunca conseguiria alcançar os agudos do “Metal God”, Rob Ralford. E o solo também fora modificado por eles. Ficou bem fidedigna a versão. A música foi escolhida pela dupla de guitarristas pelo fato de ambos gostarem dela e também pela letra que aborda a guerra como tema central.

Fechando o disco temos a arrastada e não menos maravilhosa “Spill the Blood“, que começa com uma guitarra dedilhada e depois Dave Lombardo chega quebrando tudo com suas viradas espetaculares. Uma longa introdução que nunca soa pedante nos faz viajar e assim se encerra este álbum em que o Slayer inovou. desagradando aos que esperavam rapidez, mas que cravou alguns clássicos na carreira da banda e este play não fugiu à regra.

South of Heaven” alcançou relativo sucesso comercial: foi o segundo álbum da banda a figurar na “Billboard 200”, alcançando a 57ª posição. Na Austrália ficou em 53º, na Suécia ficou no 50º posto; 31º na Holanda, 25° no Reino Unido, 11° na Finlândia, 89° no Canadá e 23º na Alemanha, além de disco de ouro no Canadá e nos Estados Unidos e prata no Reino Unido. Não é pouco.

E em menos de 37 minutos, com dez músicas perfeitas, temos um disco que mescla bem um Slayer veloz de “Reign in Blood“, com esta nova sonoridade, em que a banda abre espaço para músicas mais trabalhadas e não apenas rápidas. E no lançamento posterior, “Seasons in the Abyss”, eles chegariam ao ápice da carreira, dando sequência ao formato trabalhado aqui em “South of Heaven“.

O curioso aqui é que Kerry King não ficou satisfeito com seu desempenho nas fravações: ele alegou em entrevistas que estava se sentindo estranho naquele período, pois havia acabado de se casar e estava residindo em Phoenix, no Arizona. Já seu parceiro Jeff Hanneman disse que este período foi o primeiro na carreira da banda em que todos os integrantes se reuniam para discutir o processo de composição.

Algumas músicas do aniversariante do dia ganharam versões de outras bandas: “South of Heaven” foi regravado pelo Cemetary, “Mandatory Suicide” ganhou uma versão pelo Crown of Thorns, “Spill the Blood” recebeu tributo pelo Grope, “Silent Scream” foi regravado pelo Vader e “Read Between the Lies” foi interpretado pelo Anathema. É um legado e tanto.

E hoje é dia de celebrar o aniversário deste álbum importantíssimo não só na história da banda e sim do próprio Thrash Metal, em um ano em que bandas como Megadeth, Metallica, Anthrax e Testament, por exemplo, lançaram excelentes discos e indispensáveis na discografia de qualquer headbanger, o Slayer deu o seu melhor e lançou o melhor disco daquele já longínquo ano de 1988. Uma pena que a banda encerrou suas atividades, mas quem os viu em ação, sabe como essa banda era letal ao vivo. Alguns afortunados terão a oportunidade de acompanhar duas apresentações que a banda irá fazer no mês de setembro. Celebremos a data e este petardo. Ele é eterno, como o Slayer sempre será.

South of Heaven – Slayer
Data de lançamento – 05/07/1988
Gravadora – Def Jam Recordings

Faixas:
01 – South of Heaven
02- Silent Scream
03 – Live Undead
04 – Behind the Crooked Cross
05 – Mandatory Suicide
06 – Ghosts of War
07 – Read Between the Lies
08 – Cleanse the Soul
09 – Dissident Aggressor
10 – Spill the Blood

Formação:
Tom Araya – baixo/vocal
Kerry King – guitarra
Jeff Hanneman – guitarra
Dave Lombardo – bateria

One thought on “Slayer: há 36 anos, banda lançava “South of Heaven”

  • julho 9, 2024 em 10:57 pm
    Permalink

    Clássico!!!! Bons tempos, valeu!!!!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *