Geddy Lee diz o que aprendeu com as drogas em “resultado ruim com Caress of Steel”

Geddy Lee, o baixista do Rush, conversou com a Rolling Stone, onde ele falou como a má experiência com as drogas, levou a banda a ter um resultado aquém com o seu terceiro disco, “Caress of Steel“. Ele diz que gravar o disco chapado e o ouvir posteriormente sóbrio, foi algo que o fez ter uma percepção completamente diferente do que foi gravado e o que ele achava ter gravado:

“Foi uma lição importante a aprender, e acho que algumas dessas experiências estúpidas com drogas foram um aviso. Elas nos ensinaram que você não pode ser um músico sério se estiver brincando com essas drogas quando se trata de trabalho. Às vezes você não aprende isso até cometer esse erro. Tocar um show sob efeito de ácido quando eu era muito jovem, depois que fui expulso do Rush? Eu nunca faria isso novamente em nenhuma circunstância. Essa foi uma das piores experiências da minha vida.”

Nos anos da cocaína, a cocaína estava em toda parte. Tipo, durante o solo de bateria no show, você faz uma linha. Eu realmente não usava cocaína antes de um show porque podia sentir na garganta, e isso prejudicava minha voz. Ocasionalmente, talvez após a passagem de som, você pode dar um solavanco e então continuar com o seu dia, mas foi principalmente no final da noite, quando você sentiu que tinha ganhado uma pequena recompensa, então você ficaria chapado .”

Ainda assim, o que começou como uma “recompensa” rapidamente se tornou destrutivo:

“É uma droga traiçoeira e realmente se move silenciosa e rapidamente através de uma equipe inteira, de uma organização inteira. Foi muito perigoso e demorei um pouco até perceber a armadilha em que caí. Felizmente, fui bem criado pela minha mãe. Percebi: ‘Estou me comportando como um cachorro perdido aqui. Eu tenho que parar.’”

Geddy Lee está divulgando seu novo livro, “My Effin ‘Life”, e no próximo ano, deve passar pelo Brasil divulgando a biografia.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.