Geddy Lee fala sobre a “difícil conversa” quando Neil Peart decidiu se aposentar

Geddy Lee falou em uma aparição em Auditorium Theatre em Chicago, Illinois, para a divulgação do seu livro “My Effin’ Life In Conversation”, sobre como foi difícil ter a conversa com Neil Peart quando o lendário baterista decidiu se aposentar. Ele disse:

 “Neil encontrou seu próprio senso de relacionamento comigo e com Alex, e foi incrivelmente gratificante. Posso contar em uma mão o número de desentendimentos sérios que já tivemos.

Acho que a conversa mais difícil que já tivemos foi quando Neil tomou, em sua mente, a decisão de se aposentar. Ele não falou sobre isso publicamente, é claro, mas ele tinha vários problemas intestinais e sua artrite era muito grave. Isso estava realmente afetando suas mãos e sua capacidade de tocar. Então ele estava procurando tratamento e acabou de passar por uma operação muito séria … Isso foi em 2014. E Neil de repente, do nada, disse: ‘Temos que ter uma reunião.’ E nós dissemos: ‘Ok. Quando?’ Ele disse: ‘Bem, na próxima semana. Estou passando pela cidade.’ E nós dissemos: ‘Bem, sim, mas Lerxst [ apelido de Alex ] acabou de fazer uma cirurgia.’ E ele insistiu que fosse então. E então, isso não era característico dele. Então eu sabia que algo estava em sua mente. E então nos encontramos no restaurante onde sempre costumávamos jantar, e nosso gerente estava conosco. E ele chegou e basicamente disse que não queria mais fazer turnê. E disse: ‘Eu sei que vocês estão planejando uma turnê, mas acho que preciso cuidar da minha nova família em casa.’ Porque ele passou por um inferno em 1997, quando perdeu sua filha. Claro, 10 meses depois ele perdeu sua esposa. E então ele vagou, como todos sabem, se você ler seu livro ‘Motoqueiro Fantasma’. E ele passou pelo inferno … Ninguém deveria passar por isso. Mas ele redescobriu seu amor por tocar e voltou para nós em 2002. E ele foi um parceiro fantástico durante esses anos e tocou muito bem. Ele reinventou todo o seu estilo de bateria. Então muita motivação foi bem-vinda de volta à sua vida. Mas aqui estava ele dizendo: ‘Acho que estou chegando ao fim.’ E essa foi uma conversa difícil. E ele olhou para Alex e disse: ‘ Alex , o que você acha?’ E Al estava sentado lá, tendo acabado de fazer uma cirurgia na semana anterior, e ele não está muito confortável. Ele estava sentado ereto e disse: ‘Bem, olhe, Neil , não sei quantas voltas ainda me restam por causa de meus problemas. Mas eu realmente gostaria de fazer mais um.’ E Neil olhou para mim e disse, ‘Foda-se’. Ele não tinha resposta para isso. Ele disse: ‘Uma coisa que eu disse a mim mesmo antes desta reunião foi se Alex queria tanto fazer essa turnê’ que ele diria que sim. E ele fez. E ele não estava feliz. Mas ele voltou para o hotel e me disse por e-mail que havia me enviado um pouco mais tarde, ele escreveu este e-mail e disse: ‘Acho que devo ter dito ‘foda-se’ seiscentas vezes isso em um dia no meu quarto.’ Mas ele disse: ‘Agora tenho uma perspectiva diferente. Em vez de me aposentar, estou resignado. Estou resignado a fazer uma turnê e estou resignado a torná-la a melhor turnê que poderíamos fazer.’ E foi isso. Essa foi a última vez que tivemos que discutir isso.”

Sobre a turnê final do Rush, Geddy comenta:

“Quando a turnê chegou ao fim, nosso relacionamento estava tenso. Porque a cada show sucessivo, ele estava mais perto do fim. No final, Neil estava ficando mais feliz, e Alex e eu estávamos ficando, uh, menos felizes. E então o último show foi estranho. Nós tocamos com toda a força, tocamos com todo o coração naquele show em Los Angeles. Eu perguntei a ele, Eu disse: ‘Bem, você poderia vir e fazer uma reverência? Talvez seja nosso último show.’ Ele disse: ‘Não, eu não faço isso. Não, eu não cruzo essa linha invisível.’ Nós dissemos: ‘Tudo bem’. Mas ele fez mesmo assim, porque não resistiu. Ele escapou. Ele nos deu um abraço e fizemos uma reverência juntos. Mas depois daquele show foi muito estranho, porque não conversamos sobre isso. Ele foi para seu camarim, que era exuberante e comemorativo, e fomos ver todos os nossos amigos, e fingimos que estávamos entusiasmados e comemorativos. Mas voltamos para casa com um estado de espírito muito triste, e eu fiquei ressentido. Vou ser honesto. Fiquei ressentido porque adorei aquela turnê e queria trazê-la ao redor do mundo, e ele só concordou com alguns shows e não cedeu. E então foram, eu acho, cerca de três meses depois, começamos a conversar novamente por e-mail porque tínhamos que terminar o álbum ao vivo que estávamos fazendo, o vídeo da turnê ‘R40’ . E lembro-me de escrever e dizer: ‘Cara, acabei de ouvir seu solo de bateria. tão incrível. Que noite você escolheu para isso? E então as comportas se abriram e começamos a conversar. Ele disse: ‘Uau, não acredito que você está dizendo isso. Fiquei me perguntando durante toda a turnê se alguém estava gostando do meu solo de bateria.’ Quero dizer, sério? Eu assistia ao solo de bateria todas as malditas noites. Como ele poderia imaginar que eu não estava maravilhado com ele todas as malditas noites? Mas ele simplesmente começou a abrir seu coração, dizendo: ‘Estou tão feliz, certo? agora. Tenho uma nova vida.’ E pensei comigo mesmo: que tipo de amigo sou eu que ficaria invejado por isso depois de tudo o que ele passou? E então foi curativo ter essa conversa. E segui em frente e estava meio que aceitando agora. E Eu o entendi melhor. E então, é claro, o destino pregou uma peça horrível nele e então recebi um e-mail dele naquele mês de setembro que ele enviou para mim, Alex e [nosso empresário] dizendo que ele tinha um tumor cerebral, e isso foi, ‘Uau. E agora?’ E isso não importava – nada mais importava. E fomos até ele para tentar prestar-lhe algum serviço. E ele era forte como um touro, então lhe foram dados 18 meses e durou três anos e meio.”

Geddy Lee iniciou sua turnê “My Effin’ Life In Conversation” em 13 de novembro no The Beacon Theatre em Nova York e aparentemente, ele tem data marcada para vir ao Brasil no próximo ano. 

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.