Kerry King revela formação completa e primeiro single de sua nova banda

Finalmente Kerry King revelou a formação completa da sua nova banda.

Se juntam a ele, o ex baterista do Slayer, Paul Bostaph na bateria, o ex -baixista do Hellyeah, Kyle Sanders, e o ex – guitarrista do Machine Head e VIO-LENCE, Phil Demmel e nos vocais, Mark Osegeueda, do Death Angel.

O primeiro single da banda, “Idles Hands“, já está disponível como amostra do que vem por aí. O disco intitulado “From Hell I Rise” , em 17 de maio pela Reigning Phoenix Music.

King disse à Rolling Stone sobre a faixa-título:

É uma das duas músicas – junto com “Rage” – do álbum que trouxe das sessões de “Repentless” do Slayer. Estava finalizado, nós gravamos. Eu não fiquei feliz com a parte da performance, então pensei, ‘Tudo bem, vou colocar isso no bolso de trás até o próximo disco do Slayer.’ E isso não aconteceu, então agora está no meu registro.

Questionado sobre por que decidiu colocar seu nome na banda, ele disse:

Não liguei. Seria King’s Reign por muito tempo, o que é muito legal. Mas mesmo com essa, fui até os caras, tipo, ‘Não sou um cara vaidoso. Não quero que meu nome faça parte disso.’ Conversamos sobre Blood Reign por um tempo, mas não funcionou. Toda vez que eu inventava algo remotamente legal, era levado por alguma banda obscura do Leste Europeu. Tornou-se KERRY KING porque adoro aquele logotipo.”

Sobre a formação da banda, ele diz:

Eu sabia que Paul estaria comigo. Minha intenção original era ter o Gary Holt, mas quanto mais me afastava do Slayer, mais eu pensava que as pessoas iriam chamar essa banda de “Slayer Light” ou “Baby Slayer.” Eles vão dizer isso de qualquer maneira, então eu não precisei alimentar esse fogo. Não houve desentendimento entre mim e Gary .

Demmel saiu com o Slayer no final de 2018 para substituir Gary em quatro shows. O que ele fez por nós, acho que não poderia fazer por nenhuma banda do planeta. Ele teve basicamente dois dias para assistir alguns para que pudesse saber onde estava a pirotecnia e o ritmo do nosso set. Não faço isso pelo Judas Priest, e eu sou um fã gigante do Ptiest. Com isso, Bostaph disse: ‘Ei, e quanto ao Demmel?’ Eu mandei uma mensagem para ele. Ele disse, ‘Sim, acabei de sair do Machine Head anteontem.’ Eu disse, ‘Bem, isso é perfeito.’

 Com Mark , ele concordou desde o início. Eu simplesmente não apertei o gatilho. Eu pensei, ‘Vamos ver o que acontece.’ Digamos, por exemplo, Rob Halford me liga e diz: ‘Ei, eu adoraria ser seu vocalista’, eu teria que seguir esse caminho.”

Sobre os rumores de que Phil Anselmo seria o vocalista, ele diz:

Meu empresário, meu promotor, minha gravadora queriam Phil. Phil é um bom amigo meu, mas sempre pensei que ele não era o cara certo. Isso não tem nada a ver com sua habilidade; eu simplesmente sabia que ele não era o cara certo. Quando você ouve Mark neste disco, você sabe que isso é o cara.

Eu tive que fazer a devida diligência, porque no final das contas, se Philip fosse o cara, estaríamos nas arenas imediatamente porque poderíamos tocar coisas novas, poderíamos tocar Pantera, poderíamos tocar Slayer, e os fãs iriam ficar’ Estou feliz. Acabou quando surgiu o negócio do Pantera.

Eu vi Mark há alguns anos cantando covers de MINOR THREAT e participando de THE WEDDING BAND com membros do Metallica. Foi diferente do que ele faz no Death Angel, e ele soou muito bem. Ele é super versátil. Ele tomou medidas para fazer isso diferente do Death Angel… Eu não menciono provavelmente 50% do que ele pode fazer no álbum.

Mark sabia como eu esperava que as músicas fossem tocadas. Nas minhas demos, canto com muita convicção, mas não tenho flauta; é por isso que não canto. Com ‘Residue’ , ele soou tão bem que tive perguntar a ele: ‘Isso é sustentável? Não quero que você gaste sua carga neste disco e depois exploda sua voz a cada três shows.’ E ele jurou que conseguiria. Ele passou para alguns dos mais difíceis e fez a mesma coisa com eles, então eu disse, ‘Ok.’

O disco é produzido por Josh Wilburn, que já trabalhou com Korn, Trivium, Lamb of God, Alice in Chains, entre outros.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.