Bruce Dickinson diz ter “sorte por seus agudos ainda estarem lá”

Bruce Dickinson falou em nova entrevista a Rock Antenne da Alemanha, sobre a sua voz e como ele ainda consegue cantar em tons altos. Ele diz:

“Uh, eu não sei. Uma certa parte disso é provavelmente a maneira como fui feito. E muito disso é tentar cuidar dos pedaços que você ‘ que já tenho. E fora isso… acho que a voz muda conforme você envelhece. Quer dizer, não há dúvida disso, mas tive sorte porque a maioria dos meus agudos ainda estão lá. E nós fazemos todos os shows do Iron Maiden no tom original, todas as músicas e tudo mais. O que não quer dizer que uma ou duas músicas não sejam tão desafiadoras. Mas tenho novidades para você: elas sempre foram desafiadoras; quando eu tinha 25 anos, elas eram desafiante.

O tom da minha voz mudou um pouco e, em muitos aspectos, gosto mais dele agora do que quando tinha 23 anos. Aos 23 anos, eu era brilhante e estridente. Assim era mais fácil expressar mais emoção, você pode carregar mais emoção. Então, por exemplo, há uma música em ‘The Mandrake Project’ chamada ‘Rain On The Graves’. Eu não poderia ter cantado essa música quando eu tinha 22 anos da mesma forma. Portanto, é interessante ver como o tipo de vida emocional da voz se desenvolve ao longo dos anos. Esse é o tipo de domínio que estou tentando. Estou tentando estender o alcance, o alcance emocional da minha voz, além de preservar o alcance físico ao mesmo tempo.”

Bruce também falou que a sua rotina de exercícios e sua dieta regrada ajudam na conservação da voz:

Talvez eu tenha mudado algumas pequenas coisas em minha dieta. Não como tanto pão, mas principalmente porque minha esposa é francesa, então estou completamente doutrinado nos costumes do pão francês. Prefiro não comer pão do que comer lixo, como pão industrial. Então, essa ideia me convenceu. Na verdade, como muito menos pão e tento comer um pouco mais de proteína do que antes. E às vezes faço isso. Vá até a academia e levante alguns pedaços de ferro por aí. E eu ainda treino esgrima, e não acho que as pessoas percebam o quão físico esse esporte é, porque você está coberto de branco e usa uma máscara. Então é como se as pessoas dissessem: ‘Pilotos de Grande Prêmio, eles não trabalham muito duro, não é?’ Porque eles estão todos vestidos de terno e com capacete, mas estão perdendo Deus sabe quantos quilos de água. Eles trabalham fisicamente incrivelmente duro. E a mesma coisa no palco. Quero dizer, no palco com Maiden, estou perdendo cerca de três litros de água durante um show. Provavelmente bebo um litro e meio ou dois litros durante o show. E então, quando volto para o meu quarto de hotel, ainda me falta um litro de onde eu deveria estar, para que eu gradualmente inverter isso. Como cantor, porque eu canto com meu diafragma e todas as coisas boas que você deveria fazer, não fica feliz se você jogar um litro inteiro de água na barriga.”

Bruce Dickinson trará sua voz ao Brasil em duas ocasiões em 2024. Primeiro, com a sua nova turnê solo, e você confere aqui os detalhes. Já em dezembro, ele retorna ao país com o Iron Maiden, em duas noites em São Paulo, e aqui você confere os detalhes da primeira e segunda apresentações.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.