Baterista do Sleep Token faz primeira entrevista em vídeo e fala sobre influências em seu som

Pela primeira vez, um membro do Sleep Token concedeu uma entrevista em vídeo.

O baterista, conhecido apenas como II, falou em conversa ao canal Drummeo, usando um modulador de voz, sobre influências em seu som. Ele comenta:

“Eu sempre tomei muita inspiração na cena da dance music do Reino Unido e ouvir vários subgêneros de bateria e também do baixo, especificamente, me permitiu incorporar traços estilísticos desses gêneros em meu vocabulário como um…Eu diria que bem, minha abordagem estilística e objetivos geralmente permaneceram os mesmos, meu vocabulário nos kits se expandiu. Tentei trabalhar nem sempre usando as mesmas frases ou usando essas frases na mesma voz para garantir que as partes permanecessem um tanto interessantes, no entanto, isso e por si só é um trabalho contínuo em andamento como um músico, admito que gosto dos outros, nem sempre consigo isso, mas para mim isso significa todas as partes da jornada”. 

Sobre bateristas que o influenciaram:

“Eu comecei a tocar, gosto de muitos outros da minha geração que gostavam muito de bateristas como Joey Jordison, não da banda Mud Ban Hum, assim como músicos de velocidade mais extrema, como Derek Roddy. Eu estava muito obcecado com o estilo gospel de tocar. Hoje em dia, eu descreveria meu estilo de tocar como uma mistura daquela assinatura, uma próxima hora de Deftones inspirou um tipo de groove mais pesado com uma influência gospel”

Sobre como ele compõe suas partes de bateria para o Sleep Token, ele diz:

“Na maior parte, se não o tempo todo, tento prestar muita atenção aos vocais e descobrir quaisquer sílabas específicas que podem se beneficiar dos acentos do kit, às vezes, uso a linha vocal como uma espécie de guia para dançar entre o que está sendo cantado para preencher essas lacunas, se você normalmente olhar, as músicas não começam com uma parte de bateria específica, embora isso não seja necessariamente deliberado, outro elemento que procuro quando a escrita é qualquer síncope específica que a bateria deve corresponder a isso, isso pode ser um padrão na guitarra, uma espécie de quebra, algo eletrônico, mas sinto que isso elimina muito do trabalho de adivinhação quando inicialmente toco e me fornece uma ideia mais clara”

Ao longo da entrevista, “II” tocou diversos trechos de várias músicas do Sleep Token. A conversa completa pode ser vista abaixo.

Marcio Machado

Formado em História pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Fundador e editor do Confere Só, que começou como um perfil do instagram em 2020, para em 2022 se expandir para um site. Ouvinte de rock/metal desde os 15 anos, nunca foi suficiente só ouvir aquela música, mas era preciso debater sobre, destrinchar a obra, daí surgiu a vontade de escrever que foi crescendo e chegando a lugares como o Whiplash, Headbangers Brasil, Headbangers News, 80 Minutos, Gaveta de Bagunças e outros, até ter sua própria casa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.