Rainbow: há 48 anos, banda lançava o clássico “Rising”

Há 48 anos, em 17 de maio de 1976, o Rainbow lançava o icônico álbum “Rising“, o segundo da discografia da banda e sobre o qual iremos bater um papo nesta sexta-feira.

Mesmo com a boa repercussão do álbum de estreia, Ritchie Blackmore promoveu uma série de mudanças na formação de sua banda: manteve apenas o vocalista Ronnie James Dio, e chamou o baterista Cozzy Powell, o baixista Jimmy Bain e o tecladista Tony Carey. Nos Estados Unidos, durante a época do primeiro álbum, a banda de chamava “Ritchie Blackmore’s Rainbow“, mas para este lançamento, eles simplificaram o nome para Rainbow.

A nova formação foi para o Musicland Studios, na cidade de Munique, Alemanha e por lá ficaram durante o mês de fevereiro de 1976, sob a produção de Martin Birch. Vinte anos depois, em 1996, Cozzy Powell disse que o álbum foi gravado em um ou dois takes, com inserções de overdubs, e que por isso, não há versões demo das canções contidas aqui. Tudo o que está no disco é rigorosamente o que foi gravado durante aquelas sessões.

A faixa “Stargazer” conta com a participação ilustre da Orquestra Filarmônica de Munique e na composição original, ela tinha uma introdução feira no teclado. Uma edição Rough Mix do álbum, lançada no ano de 2011, traz esse registro. Todas as músicas são de autoria da dupla Ritchie Blackmore e Ronnie James Dio.

O álbum é bem curto, são apenas 33 minutos, e na versão original, em vinil, temos o lado A com as 4 primeiras faixas e o lado B com as outras duas, estas duas com duração de oito minutos cada uma. Não há como destacar somente uma única faixa, mas algumas se tornaram importantes também por ganharem versões de outras bandas. São os casos da música “Stargazer“, que foi homenageada pelo Axel Rudi Pell, Dream Theater e pelo Tyr; a faixa “Startuck” ganhou uma versão do Bible e também do Motörhead com Biff Byfford; o Paradoxx fez uma versão para a música “A Light in The Black” e o Metallica fez um medley com as músicas “A Light in The Black”, “Stargazer” e “Tarot Woman“, que eles chamaram de “Ronnie Rising Medley“.

O álbum é tido como um dos maiores de todos os tempos, inclusive a edição de número 4 da revista Kerrang! deu ao aniversariante esse título. Em 2017, a Rolling Stone compilou sua lista dos melhores álbuns de Metal de todos os tempos e “Rising” ficou na 48ª posição. Nos charts, o álbum alcançou a 11ª posição no Reino Unido, 17ª no Canadá, 23ª na Suécia, 36ª na Nova Zelândia, 38ª na Alemanha, 48ª na “Billboard 200” e 67ª posição no Japão. Foi certificado com Disco de Ouro no Reino Unido.

Hoje, três dos cinco que gravaram o álbum já não estão entre nós: Ronnie James Dio, Cozzy Powell e Jimmy Bain partiram durante a década passada e hoje só Blackmore está na banda. A influência deste álbum ultrapassa o tempo, se aproxima dos 50 anos e envelhecendo bem, obrigado. Hoje é dia de escutar esse play no volume máximo.

Rising – Rainbow
Data de lançamento – 17/05/1976
Gravadora – Oyster

Faixas:
01 – Tarot Woman
02 – Run with the Wolf
03 – Starstruck
04 – Do You Close Your Eyes
05 – Stargazer
06 – A Light in the Black

Formação:
Ronnie James Dio – vocal
Ritchie Blackmore – guitarra
Cozzy Powell – bateria
Jimmy Bain – baixo
Tony Carey – teclado

Participação especial:
Orquestra Filarmônica de Munique – orquestrações em “Stargazer

One thought on “Rainbow: há 48 anos, banda lançava o clássico “Rising”

  • maio 20, 2024 em 2:51 pm
    Permalink

    Esse disco sim é que considero o pai do Power Metal e com elementos progressivos, gosto muito!!!! Valeu!!!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *